7 PRINCIPAIS PROBLEMAS DENTÁRIOS

Como todos sabemos, os dentes têm infinitas finalidades, cumprindo várias funções importantes que garantem o bom funcionamento do nosso corpo. São eles que nos permitem a capacidade de mastigar os alimentos de forma a que os mesmos sejam facilmente digeridos e, consequentemente, a devida absorção de nutrientes ocorra. Este é apenas um dos muitos exemplos que demonstram a relevância das peças dentárias.

No campo da estética, os dentes também desempenham um papel fundamental: desde a definição da forma do nosso rosto à aparência do nosso sorriso.

“É de pequenino que se torce o pepino.” Como tal, é de criança que uma boa saúde bucal é ensinada. Porém, muitas vezes – e por uma série de razões diferentes – deixamos de lado as boas-práticas de higiene dental e acabamos por reduzir as visitas periódicas ao dentista. Como resultado, os dentes enfraquecem e tornam-se suscetíveis a uma variedade de doenças e problemas que podem culminar na sua perda.

É, sem dúvida alguma, aconselhável fazermos um esforço para cuidarmos da saúde da nossa boca e, em simultâneo, estarmos a par com os problemas que enfrentamos. Abaixo, encontramos uma lista detalhada de sete grandes problemas dentários a que poderemos estar suscetíveis:

1.- Mau-hálito.

Todos sabemos que o mau cheiro da boca pode ter variadas causas. Uma das mais frequentes, claramente, é ter má higiene oral e não limpar os dentes com os devidos rigor e regularidade. Se este é o motivo do mau odor, o seu dentista poderá realizar uma limpeza profunda e, a partir daí, indicar-lhe as técnicas de escovagem adequadas para que possa controlar o problema.

Contudo, o mau-hálito poderá advir de problemas gástricos, renais, pulmonares ou nasais. Se for este o caso, a visita ao seu dentista continua a ser recomendável. Ele saberá diagnosticar a origem e fazer o devido encaminhamento para o respetivo especialista.

2.- Cárie dentária.

Esta é uma das mais comuns causas de problemas odontológicos. A sua origem advém de uma má higiene bucal acumulada ao longo dos anos.

As bactérias alojadas na nossa boca podem afetar não só o esmalte como o revestimento do dente – dentina – o que poderá levar a lacunas dolorosas e sensíveis a diferentes temperaturas.

Caso não saiba, as cáries são o segundo problema mais frequente nos humanos, apenas precedidas pela constipação. A alimentação, o consumo de bebidas alcoólicas e cigarros são fatores exponenciais para o aumento de risco de ocorrência.

Quando considerado muito danificado, é necessário remover o dente. No entanto, caso possa ser salvo, o seu dentista usará amálgamas, endondontia ou massa para repará-lo.

Escovar adequadamente os seus dentes com uma pasta de dentes que contenha flúor, usar fio dental e limpar a língua e gengivas é a melhor prevenção contra as cáries.

3.- Dentes do siso.

Quando falamos dos terceiros molares localizados na parte posterior da cavidade bucal sabemos que estes causam muitas vezes episódios extremamente dolorosos, acompanhados de febre e outros sintomas. A razão para isso é que, por vezes, os chamados dentes do siso, não encontram espaço para desenvolverem-se e acabam inclusos, levando aos acontecimentos acima descritos.

Devido à sua localização de difícil acesso e respetiva limpeza, são dentes mais propensos às cáries. Mesmo quando não causam desconforto, os dentistas recomendam a sua extração para evitar futuras situações.

4.- Bruxismo.

Esta é outra causa comum de problemas dentários e algo mais difícil de detetar. O bruxismo caracteriza-se por um constante e inconstante ranger dos dentes, maioritariamente durante o sono, derivado do stress ou outros fatores.

A grande consequência é gerar um desgaste elevado nos dentes tornando-os mais vulneráveis à cárie e a outros potenciais problemas dentários.

As visitas periódicas ao seu dentista são a chave para o diagnóstico e tratamento deste problema. Grande parte da terapia passa – mas não só – pela utilização de talas (dispositivos plásticos ou de resina) para alterar a mordida, relaxar os músculos e e evitar fricções geradoras de desgaste.

5.- Dentes sensíveis.

Entre outros, a cárie, a escovagem excessiva e demasiado forte ou os produtos químicos para clarear os dentes são as principais causas dos dentes sensíveis.

Quando a dentina é corroída afeta os minúsculos canais que se conectam diretamente à raiz dentária levando à sensibilidade dentária. A exposição da mesma pode causar dor ao comer ou beber algo quente, frio, ácido, muito doce ou muito salgado. Em alguns casos mais extremos, o próprio ar frio pode causar dor.

Tanto uma escovagem suave e completa como sessões de flúor aplicadas pelo seu médico dentista podem aliviar a sensibilidade dentária.

6.- Dentes amarelos.

Sem dúvida que as manchas ou a descoloração dos dentes são causadas por múltiplos fatores, tais como: idade; má-higiene oral; tabaco; café; certas frutas ou vegetais de cor e acidez intensa; outros mais.

Um dos elementos mais propensos ao dano é, claramente, o esmalte. Para cuidá-lo, são necessárias consultas periódicas e uma limpeza completa feita pelo seu dentista, para além de sessões de branqueamento. Isto melhorará também a aparência e a estética do seu sorriso.

7.- Gengivite.

Aquando uma má escovagem – que não consegue eliminar completamente a acumulação de bactérias nos dentes – dá-se o aparecimento do tártaro. Este, acumula-se entre as gengivas e os dentes e causa um infeção nos tecidos chamada gengivite.

Os principais sintomas da gengivite são a vermelhidão, mau-hálito, inflamação e sangramento das gengivas, entre outros. A periodicidade das suas visitas ao dentista determinará a deteção precoce deste problema que poderá eliminar o tártaro acumulado através de limpezas profundas. Caso não seja devida e atempadamente tratada, a gengivite poderá causar a perda total do dente.

Se tiver presente que deverá cuidar da sua saúde oral, usar técnicas adequadas de escovagem, utilizar dentífricos cujo ingrediente principal seja o flúor e fazer uso do fio dental acompanhado da raspagem ocasional da língua e bochechas está no bom caminho para evitar problemas dentários irritantes.

De salientar também a importância de visitar regularmente o seu médico dentista, a cada quatro ou seis meses, sem nunca desconsiderar os pequenos desconfortos que sente pois poderão ser causados por um problema maior que, devida e oportunamente diagnosticado, contribuirá para a sua saúde oral que é, nada mais e nada menos que parte integrante do seu bem-estar.